Europa em linhas gerais

by • February 4, 2008 • Europa, iniciantesComments (0)1090

+
-


Print Friendly

Companhia aérea mais barata:
- trimeste dezembro/fevereiro 2008: Ibéria
- trimestre setembro/novembro 2007: Ibéria
- 2006: Alitália
Nota de março de 2008: Viajantes pela Ibéria tiveram problemas de entrar na Espanha, devido a “n” motivos, como ausência de dinheiro para cobrir a estadia e falta de seguro-saúde. Porém, isso não é comum e a Espanha já reconheceu que houve exageros. Convém, porém, certificar-se que possuir toda a documentação, dinheiro e seguro, se necessário, para o país de destino. Se a Espanha não for seu destino final, as autoridades espanholas podem permitir o embarque a outro país da comunidade européia.

Destinos mais comuns:
Paris (França), Londres (Inglaterra), Lisboa (Portugal), Roma (Itália), Barcelona (Espanha)

Baixa temporada: maio/junho, setembro/outubro

Museus mais visitados da Europa
LOUVRE, Paris 7,5*
CENTRE GEORGES POMPIDOU, Paris 5,1
TATE MODERN, Londres 4,9
BRITISH MUSEUM, Londres 4,8
NATIONAL GALLERY, Londres 4,6
MUSEUS DA SANTA S6, Vaticano 4,2
HERMITAGE, Sao Petersburgo 2,5
PRADO,Madri 2
Em Milhoes De Visita (Revista Forbes)
——————————————————————
TÓPICOS RELACIONADOS:

* Guias Grátis e Mapas – Europa
* Dublin atrações e mapa
*Florença guia básico
* FRANKFURT
* Alemanha
* EUROPA de trem – passes
*Lisboa – atrações e informações
* Paris – Mapas
* Paris – City Pass e transporte
*Paris guia básico e dicas de viagem
* Paris a pé – Mapa
* PARIS: google maps – atrações
* França: Paris – atrações
* Sevilha – mapas
* Madri – mapas
* Praga – mapa
* Escócia Edinburgo – mapa
* Barcelona – mapa
* Barcelona
* Lisboa – mapa
* Lisboa – atrações e informações
* Praga – República Checa – guia essencial
*ROMA guia básico e mapas
* Dublin – mapa
* Atenas, Grécia – mapas
* Copenhagem – mapa
* Brussels – mapa
* Londres – mapa
* Política de entrada na Europ
*Mapas FROMMERS
——————————————————————–
>>> LINKS
A própria comunidade européia disponibiliza informações gerais sobre a Europa, seja para alfândega dos países, impostos e outros dados importantes.
* Compras na Europa: http://europa.eu/abc/travel/shop/index_pt.htm. O imposto pago pode ser devolvido no aeroporto, na saída do país. Mas cada país tem sua regra. Informe-se detalhadamente antes.
*Reembolso de imposto em compras no exterior
* Documentos necessários e Acordo de Schengen: http://europa.eu/abc/travel/doc/index_pt.htm
Até 3 meses de viagem, os brasileiros precisam de passaporte, dinheiro que cubra a hospedagem, comprovante de passagem aérea (volta), endereço de hospedagem e seguro-saúde. Não é comum a exigência dessa documentação, mas pode ser pedida pelas autoridades e eles podem impedir a entrada no país.
* Saúde: países como a Itália e Portugal possuem convênio em acordo bilateral para reconhecer os segurados do INSS. Porém, não basta ser segurado do INSS, deve haver um registro junto ao INSS antes. Muitas vezes, vale a pena fazer um seguro-saúde.

Outras dicas da revista Viagem e Turismo:

Fonte: Revista Viagem e Turismo – Setembro de 2007

Quem leva

As seguintes operadoras são especializadas em Europa: Abreutur: (21) 2586-1840, abreutur.com.br; ADV: (11) 2167-0633, advtour.com.br ; Bon Voyage: (11) 3258-6522, bonvoyagetur.com.br; CI: (11) 3677-3600, ci.com.br; CIT: (11) 3138-3535, citbrasil.com.br; CTI: (51) 3311-5222, ctiturismo.com.br; CVC: (11) 2191-8911, cvc.com.br; CWT: (11) 3491- 2610, cwtturismo.com.br; Flot: (11) 3231-2311, flot.com.br; ITR Qualitours: (21) 3095-1080, qualitours.com.br; Luxtravel: (11) 3017-5656, luxtravel.com.br; Lusanova: (11) 6879-6767, lusanova.com.br; Marsans: (21) 2106-7455, marsans.com.br; Nascimento: 0800-882-9900, nascimento.com.br; New Age: (11) 3138-4888, newage.tur.br; Polvani: (11) 3083-4411, polvani.com.br; Raidho: (11) 3383 1200, raidho.com.br; RCA: (11) 3017-8700, rca.travelsystem.travelexplorer.com.br; Soft Travel: (11) 3017 9999, softtravel.com.br; STB: (11) 3038-1555, stb.com.br; Tam Viagens: (11) 3068-7939, tamviagens.com.br.

Quando ir
Tudo depende de aonde você vai e o que quer fazer. Para aproveitar os destinos de praia, como Croácia ou Ilhas Gregas, com um mergulho no Mediterrâneo incluído, vá de junho a setembro. Antes ou depois disso, o programa passa a ser curtir o visual só com o pezinho na água. No outro extremo das intenções, o ideal para esquiar é de novembro a março. Em ambos os casos, é fundamental evitar os picos de alta temporada se quiser fugir dos preços (muito) inflacionados. Agosto é o ápice da alta temporada de verão. Apesar de ser fantástico para quem procura badalação, a maioria dos lugares fica lotada e os preços sobem à estratosfera. Além disso, as temperaturas podem beirar (ou ultrapassar) o insuportável nos países do sul. Flagrar os termômetros de Sevilha ou Atenas marcando 45 graus não é difícil. Ou seja, você não se arrependerá se deixar para viajar na primavera ou no outono, quando a Europa dá o melhor de si e é banhada por uma luz especial. Para quem vai à montanha, o período crítico é entre o Natal e a primeira semana de janeiro, quando as estações transbordam de gente. E, nos países do norte, os preços podem até ser uma pechincha em janeiro e fevereiro, mas prepare-se para passar o frio da sua vida, com temperaturas bem abaixo de zero.

Transporte
Avião: Depois da invasão benéfica das companhias aéreas de baixo custo, transitar entre as grandes cidades voando ficou, definitivamente, mais barato do que ir por terra ou por mar. Uma viagem de ferry entre Ibiza e Barcelona, por exemplo, custa no mínimo 48 euros e demora nove horas e meia pela Balearia (balearia.es). Indo de avião, o trecho pode sair por 30 euros pela Vueling (vueling.com), já com as taxas, e demora 50 minutos. De trem, a viagem Paris-Roma sai por, no mínimo, 80 euros (voyages-sncf.com) e demora quase quinze horas. Optando pelo avião da Air Berlim (airberlin.com), o bilhete pode sair por 49 euros, com taxas incluídas, e a viagem demora apenas três horas. O site Sky Scanner (skyscanner.net) é uma ferramenta utilíssima de busca de vôos baratos, assim como o Routehunter (routehunter.com). Quanto maior a antecedência na hora de reservar, maiores as chances de encontrar pechinchas.
Trem: O trem cai como uma luva para viagens pinga-pinga por várias cidades. É uma ótima também para quem não gosta de planejar o roteiro com antecedência e ter data certa para ir embora de cada local. Nesses casos, comprar um Eurail Pass (eurail.com), que cobre as linhas de trem indicadas no mapa das páginas 6-7, é uma ótima idéia. Há várias opções de passes, dependendo da quantidade de dias e dos países visitados. O Global Pass, o mais abrangente de todos, dá direito a viajar ilimitadamente por 18 países. O tíquete para 15 dias custa US$ 439 na segunda classe. As viagens noturnas em cabines com camas podem matar dois coelhos com uma cajadada só: transporte e hospedagem. Mas tudo depende do gosto do freguês. Quem tem dificuldade para dormir em condições um pouco adversas (pessoas desconhecidas roncando, por exemplo) corre o risco de chegar cansado e sem disposição para aproveitar o dia. Nesse caso, o barato pode sair caro.
Ônibus: Com uma rede ferroviária tão completa, os ônibus são um tipo de transporte secundário na Europa – ainda que sejam bem mais econômicos. Para trechos menores e nacionais, eles cumprem bem o seu papel. Mas nas viagens internacionais deixam bastante a desejar. Em primeiro lugar porque não são muito confortáveis (as poltronas mal reclinam). Além disso, algumas linhas operam no esquema pinga-pinga. Para completar, são alvos freqüentes de inspeções rigorosas da polícia. Como conseqüência, atravessar as fronteiras, que praticamente não existem para quem vai de carro ou trem, acaba sendo demorado e desgastante. Mas, se a economia for mais importante do que a comodidade, a Eurolines (eurolines.com), a maior empresa rodoviária européia, liga todo o continente e também oferece passes especiais.
Carro: É o meio de transporte ideal para viagens contemplativas pelo interior ou pela costa. Nada substitui o prazer de poder parar onde quiser e se perder pelas estradas da Úmbria ou da Toscana, na Itália, ou pelas praias do litoral espanhol. As autopistas européias são excelentes e, em geral, bem sinalizadas. A locadora Europcar (europcar.com) e a Record (recordrentacar.com) oferecem diárias que, dependendo do número de dias, podem chegar a até 20 euros. O problema é o preço dos pedágios. Para ir de Barcelona a Nice, no sul da França, gasta-se 51,55 euros em uma viagem de apenas seis horas. Procure optar pelas estradas nacionais e regionais, muitas delas gratuitas. O trânsito costuma ser mais intenso, mas relaxe e curta o caminho. O site Via Michelin (viamichelin.com) é uma mão na roda. Além de ter mapas completos de toda a Europa e indicar o percurso exato entre um ponto e outro, também calcula os gastos com pedágio e combustível. Clicando em “opções”, é possível selecionar a alternativa de caminho mais econômico.

Descontos
Quase todas as grandes cidades da Europa oferecem tíquetes turísticos econômicos de transportes e também entradas para museus e outras atrações combinadas. Em alguns casos, as duas coisas vêm em um pacote só. É assim em Budapeste. O Budapest Card (budapestinfo.hu) é um cartão que, além de viagens ilimitadas em todo o sistema de transporte público, vale descontos e/ou entradas grátis em banhos, museus, lojas, aluguel de carro, etc. O cartão para dois dias custa 25 euros e para três dias sai por 31 euros. Nunca deixe de se informar nos escritórios de turismo de cada lugar. Se você é estudante, não se esqueça de tirar a Carteira Mundial de Estudante da Isic (carteiradoestudante.com.br) antes de embarcar. Ela vale por um ano, custa 35 reais e dá descontos em várias atrações turísticas e também na passagem aérea.

Comunicação

O jeito mais fácil de falar com o Brasil é a cobrar pelo serviço Brasil Direto da Embratel, com atendimento em português. Veja os números para cada país em embratel.com.br. Mas é muito mais barato ligar com a ajuda dos misteriosos cartões telefônicos encontrados em bancas (dependendo do cartão, 5 euros dão direito a três horas de conversa) ou utilizar os estabelecimentos onde há inúmeras cabines telefônicas que cobram taxas semelhante às dos cartões. Na Espanha, esses lugares se chamam locutórios, na França, taxiphones, e assim por diante. Outra opção é usar o Skype (skype.com) de um cybercafé (de € 1 a € 2 a hora). O programa permite “ligar” de um computador para o outro de graça ou para telefones comuns a um custo baixíssimo. Os celulares brasileiros funcionam em roaming em quase toda a Europa. Mas vá com calma, porque as tarifas podem ser caríssimas. Consulte os planos especiais da sua operadora antes de viajar. Se ficar vários dias no mesmo lugar, vale a pena desbloquear o aparelho antes de sair do Brasil e comprar os chips das operadoras GSM locais que custam entre 10 e 20 euros.

Compras

Viajantes não europeus têm direito à restituição do imposto pago nas compras acima de 90,15 euros – desde que a quantia tenha sido gasta em um mesmo estabelecimento. Peça o formulário de reembolso (Tax Free) na loja e apresente-o na alfândega, na saída, junto com as notas fiscais. Fique atento aos períodos de liquidações no começo e no meio do ano, quando os preços podem cair até 70%. E não exagere! Pois é permitido trazer ao Brasil até apenas 500 dólares em mercadorias adquiridas no exterior sem pagar taxas de importação.

Documentos

Turistas brasileiros não precisam de visto para entrar nos países da União Européia, desde que a permanência seja de, no máximo, três meses (ou seis no Reino Unido). O mesmo vale para a Croácia, que não faz parte da União Européia, mas firmou acordo com o Brasil em setembro de 2006. Além do passaporte com validade de, no mínimo, seis meses, é obrigatória a aquisição de um seguro médico internacional com cobertura de 30 mil euros. Ele pode ser adquirido em agências de viagem no Brasil por um valor médio de 50 dólares por semana. Para mais informações, consulte o consulado do país ao qual pretende viajar. Os endereços estão em consulados.com.br. Ainda que os fiscais não requisitem documentação extra à maioria dos viajantes, ter a passagem de volta e o endereço do hotel (ou casa de amigo) à mão também é fundamental na hora da imigração, assim como dinheiro e/ou travellers e/ou cartões de crédito que provem que você tem meios de bancar a estadia. A dica é ainda mais essencial para quem vai ao Reino Unido.

Dinheiro

Vale a pena levar um pouco em cash para as despesas do desembarque. Mas para quantias maiores sempre é mais seguro apostar nos traveller checks. Na hora de trocá-los, porém, procure os estabelecimentos que não cobrem taxas ou comissões.

Orçamento: Os preços podem variar de acordo com a época e os países visitados (como regra geral, os do leste são mais barato que os do oeste). Mas tenha em mente que o gasto mínimo para uma viagem com algum conforto sai por uma média de 60 euros ao dia (sem contar as despesas pré-viagem, como a passagem de avião e/ou o Eurail Pass), incluindo hospedagem em albergue, alimentação (uma refeição por dia, mais comida comprada em supermercado) e diversão. Nunca se esqueça de reservar algum extra para emergências que podem incluir um hotel mais caro se os albergues estiverem lotados, um táxi para não perder um avião, remédios, um casaquinho extra se o tempo virar e uma infinita gama de possibilidades.

Como chegar

Diariamente há vôos diretos que ligam São Paulo e o Rio de Janeiro às principais cidades européias. Com menor freqüência, há alternativas que decolam de cidades do Nordeste.

CIA. AÉREA – Air Europa (21/2507-8050, aireuropa.com.br)
ORIGEM – Salvador e Rio de Janeiro. DESTINO – Madri
PREÇO* – US$ 995 – AT – e US$ 908

CIA. AÉREA – Air France (4003-9955 e 0800-888-9955, airfrance.com.br)
ORIGEM – Rio de Janeiro e São Paulo.DESTINO – Paris
PREÇO* – US$ 1 293 – AT – e US$ 1 053

CIA. AÉREA – Alitalia (11/2171-7610, alitalia.com.br)
ORIGEM – São Paulo. DESTINO – Milão
PREÇO* – US$ 1 289 – AT – e US$ 1 049

CIA. AÉREA – BRA (11/6445-4310, voebra.com.br)ORIGEM – São Paulo e Rio de Janeiro, Recife e Porto Seguro, Fortaleza e Natal, Rio de Janeiro e Recife, Rio de Janeiro e Recife
DESTINO – Lisboa, Lisboa, Lisboa, Lisboa, Madri, Milão, Londres, Madri, Milão, Londres
PREÇO* – US$ 868, US$ 768, US$ 738, US$ 738 – AT – e US$ 768, US$ 888, US$ 1 154 – AT – e US$ 969

CIA. AÉREA – British Airways (11/4004-4440, britishairways.com)
ORIGEM – São Paulo DESTINO – Madri
PREÇO* – US$ 1 105 – AT – e US$ 908

CIA. AÉREA – Iberia (11/3218-7140, ibéria.com.br)
ORIGEM – São Paulo e Rio de JaneiroDESTINO – Amsterdã
PREÇO* – US$ 1212 – AT – e US$ 919,00

CIA. AÉREA – KLM (klm.com.br, 4003-1888 e 0800-888-1888)
ORIGEM – São Paulo- DESTINO – Munique
PREÇO* – US$ 1 379 – AT – e US$ 1 086

CIA. AÉREA – Lufthansa (11/3048-5800, lufthansa.com)
ORIGEM – São Paulo- DESTINO – Frankfurt
PREÇO* – US$ 1 379 – AT – e US$ 1 086
CIA. AÉREA – Pluna (0800-7723003, pluna.aero/brasil)
ORIGEM – Rio de Janeiro- DESTINO – Madri
PREÇO* – US$ 1 091 – AT – e US$ 938

CIA. AÉREA – Swiss (11/3049-2720, swiss.com)
ORIGEM – São Paulo
DESTINO – Zurique
PREÇO* – US$ 1 379 – AT – e US$ 1 086

CIA. AÉREA – TAM (4002-5700 e 0800-570-5700, tam.com.br)
ORIGEM – São Paulo e Rio de Janeiro
DESTINO – Paris, Milão, Londres
PREÇO* – US$ 1 293 – AT – e US$ 1 053, US$ 1 284 – AT – e US$ 1 048, US$ 1 049 – AT – e US$ 969

CIA. AÉREA – TAP (11/2131-1200 e 0800-707-7787, flytap.com.br)
ORIGEM – São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Recife, Fortaleza e Natal para Lisboa
DESTINO – Lisboa, Porto
PREÇO* – US$ 1 298 – AT – e US$ 908, US$ 1 298 – AT e US$ 908

CIA. AÉREA – Varig (4003-7000, varig.com.br)
ORIGEM – Rio de Janeiro e São Paulo
DESTINO – Frankfurt
PREÇO* – US$ 1 155 – AT – e US$ 1 010
*Tarifa mais baixa para a classe econômica, sem taxas

Share on Facebook
Pin It

Related Posts

Escreva um comentario

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Kyplex Cloud Security Seal - Click for Verification